Economia

Comercialização de sêmen de raças de corte e de leite cresce 30%, diz Asbia

Crédito: Reprodução/Embrapa

Para o setor de pecuária de corte, o salto foi de 42%, para 11,263 milhões de doses comercializadas, e, no leite, o avanço foi de 13%, com 3,969 milhões de doses comercializadas (Crédito: Reprodução/Embrapa)

São Paulo, 11 – O setor de inseminação artificial de bovinos comercializou 16,696 milhões de doses de sêmen entre janeiro e setembro deste ano, salto de 30,1% em relação a igual período do ano passado, aponta em nota a Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia), com base no seu Index Asbia. “Mesmo com o impacto negativo da logística sobre as exportações, estaremos, ao fim do ano, próximos da marca histórica de 25 milhões de doses de sêmen”, projeta o presidente da Asbia, Márcio Nery.

Para o setor de pecuária de corte, o salto foi de 42%, para 11,263 milhões de doses comercializadas, e, no leite, o avanço foi de 13%, com 3,969 milhões de doses comercializadas.

+ Agricultura já identificou presença de ácaro vivo, fungos e bactérias em sementes
+ Sêmen de touro congelado pode ter desencadeado febre catarral ovina em fazendas na Europa

O relatório também apontou que, de janeiro a setembro deste ano, foram produzidos 9,832 milhões de doses de sêmen no País. Em igual período do ano passado, a produção foi de 7,457 milhões, alta de 32%.

Em relação à genética de raças de corte, foram coletados 8,058 milhões de doses de sêmen no acumulado de 2020, alta de 31,5% em relação a janeiro a setembro de 2019, quando 6,128 milhões de doses haviam sido coletadas. Já nas raças de leite, a coleta subiu de 1,328 milhão para 1,773 milhão de doses, ou 33,51% a mais.

Outro dado é que 4.146 municípios brasileiros utilizaram a inseminação artificial de bovinos entre janeiro e setembro, ou quase 75% dos municípios do País.

Picapes respondem por 12% dos recalls de 2019, aponta pesquisa
5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
As 10 picapes mais vendidas no Brasil em janeiro