Geral

Vendas de veículos têm queda de 14,6% em fevereiro

As vendas de veículos registraram uma queda de 14,6% em fevereiro deste ano na comparação com o mesmo mês de 2020, segundo o balanço divulgado hoje (5) pela Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Foram emplacados 153,6 mil veículos em fevereiro, o número representa uma queda de 0,9% em comparação com janeiro.

Os carros de passeio tiveram uma queda ainda maior em relação a fevereiro do ano passado, 21,2%, com a comercialização de 120,8 mil unidades.

Os caminhões, por outro lado, tiveram um crescimento de 20,1% nas vendas de fevereiro, com o emplacamento de 7,4 mil unidades. O que representa também um aumento de 6% em relação à comercialização em janeiro.

Produção

A produção de veículos teve queda de 3,5% em fevereiro na comparação com o mesmo mês de 2020, com a fabricação de 197 mil unidades. No segmento de carros de passeio, a retração ficou em 10,6%, com a produção de 155 mil automóveis. Os caminhões registraram uma alta na produção de 29,3%, com a fabricação de 11,8 mil unidades.

“É um resultado que já está impactado pelo início do ano difícil que nós temos pela frente”, destacou o presidente da Anfavea, Luis Carlos Moraes. “Eu considero um número bom considerando as condições que nós estamos”, acrescentou sobre a avaliação do começo de ano com diversas complicações causadas não só pela crise da pandemia de coronavírus, mas também por dificuldades no suprimento de diversos materiais.

O resultado de fevereiro foi o pior para o mês desde 2016. “O setor automobilístico é mais afetado do que outros setores porque ele está em uma cadeia global, então tem uma dificuldade de organizar a logística”, acrescentou Moraes.

As exportações também tiveram queda em fevereiro, sendo 12,2% menores do que no mesmo mês de 2020, com a venda de 33 mil veículos para o exterior. No entanto, em valores, houve um crescimento de 10,4%, alcançando os US$ 607,9 milhões. Isso porque, segundo o presidente da Anfavea, as vendas foram melhores nos setores de veículos pesados que têm valores mais altos.

Vacinação e emprego

Moraes disse ainda que a indústria automobilística defende que haja uma maior coordenação e agilização da vacinação no país. “Infelizmente estamos vivendo um momento crítico, um caos, um agravamento da crise sanitária em todos os indicadores”, enfatizou sobre a situação atual. “Nós estamos pedindo uma aceleração da vacinação nesse país. Tem que ter um programa coordenado entre governo federal e secretarias estaduais”, acrescentou.

O número de trabalhadores nas montadoras sofreu uma retração de 2,4% em fevereiro na comparação com o mesmo período do ano passado, o que significa a perda de 2,6 mil postos. Atualmente, a indústria emprega 104,7 mil pessoas.

Veja também

+ Restaurante japonês que fez festa de swing lança prato chamado “suruba”
+ Cantor Ovelha abre frangaria em São Paulo com a ajuda de Ratinho
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mineral de Marte raro na Terra é achado na Antártida
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Atriz pornô é demitida de restaurante por causa de “cliente cristão”
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?