Geral

Vespa assassina asiática aparece nos EUA e assusta apicultores

Crédito: Reprodução/YouTube/Forager Japan What's Eating Japan?

Entre suas atividades mais conhecidas está a decapitação de abelhas. Justamente esse fenômeno foi avistado recentemente em Washington (Crédito: Reprodução/YouTube/Forager Japan What's Eating Japan?)

Rainhas com até cinco centímetros de comprimento. Cores em listras e manchas pretas e alaranjadas pelo corpo. Barulhenta. Com presas em forma de barbatanas que rasgam até a roupa de proteção contra abelhas.

+ Estudo usa vespas nativas para controlar mosca-das-frutas
+ FAO continua a combater o aumento de gafanhotos do deserto na África Oriental
+ China enfrenta gafanhotos com exército de 100 mil patos

São algumas das características da vespa mandarinia, conhecida vespa gigante asiática ou, apenas, vespa assassina. E, atualmente, estão causando pânico nos produtores de mel dos Estados Unidos.

Entre suas atividades mais conhecidas está a decapitação de abelhas. Justamente esse fenômeno foi avistado recentemente em Washington. Em entrevista ao The New York Times, Ted McFall lembrou o susto que levou ao se deparar com muitas abelhas sem as cabeças próximas a uma colmeia.

Não há provas de que a carnificina é de autoria de vespas assassinas. Mas no outono passado, dois dos insetos predadores foram descobertos no canto noroeste do Estado de Washington, a alguns quilômetros ao norte da propriedade de McFall. Trata-se dos primeiros avistamentos no país.

Ao Times, Jun-ichi Takahashi, pesquisador da Universidade de Kyoto Sangyo, no Japão, explicou o motivo do nome assustador do inseto. Com seus ataques, em grupo, podem levar a vítima à morte com doses de substância tóxica comparáveis a veneno de cobra. No país asiático, as vespas matam, em média, 50 pessoas por ano.

Desde o ocorrido, cientistas iniciaram uma busca pelas vespas, preocupados com o fato de os invasores poderem dizimar as populações de abelhas nos Estados Unidos.

Para o entomologista do Departamento de Agricultura do Estado de Washington, Chris Looney, esse é o momento para impedir que as vespas se instalem no País. A expectativa é fazer isso nos próximos dois anos. Depois desse prazo, o especialista não acredita que será possível acabar com o inseto.

Segundo Looney, nos próximos meses, o departamento planeja colocar centenas de armadilhas para rastrear os insetos. A agitação da atividade dentro do ninho dessa espécie pode elevar a temperatura interna para até 86 graus celsius, então também serão usados rastreadores com imagens térmicas para examinar as florestas.

No mês passado, o site britânico Mirror aletrou para a invasão dessas vespas no Reino Unido. A publicação explica que o movimento poderia custar 7,6 milhões de libras apenas em pesquisas e outros milhões para se livrar dos insetos.

Segundo o Mirror, as vespas asiáticas foram acidentalmente introduzidas na França pela China em 2004 e estão se espalhando por toda a Europa desde então. A espécie já foi avistada em países como a Espanha (em 2010), Portugal e Bélgica (2011), Itália (2012), Alemanha (2014) e Reino Unido (2016).