• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias22/10/2021

XP Investimentos eleva projeção de aumento da taxa Selic de 1pp para 1,5pp

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo22/10/21 - 18h41min

A piora do arcabouço fiscal no Brasil nas últimas semanas desencadeou uma revisão do cenário da XP Investimentos. Em relatório, a corretora informou que elevou a sua previsão de Selic no fim do ciclo de 9,25% para 11,0%.

A XP agora espera dois aumentos de 1,5 ponto porcentual dos juros nas reuniões do Copom de outubro e dezembro, de 1 ponto antes. Assim, os juros chegariam ao fim de 2021 em 9,25%. Para 2022, a corretora estima duas altas da taxa, de 1 ponto e 0,75 ponto, e Selic de 11% no fim do ciclo e no fim do ano que vem.

Com o aumento do risco fiscal, a XP elevou as projeções de dólar no fim de 2021 e 2022 para R$ 5,70, de R$ 5,20 e R$ 5,10, respectivamente. Na esteira da depreciação cambial e da piora das expectativas de inflação, a corretora aumentou também as suas estimativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2021 (9,0% para 9,1%) e 2022 (3,9% para 5,2%) - esta última acima do teto da meta do ano que vem, de 5,0%.

"A inflação mais elevada à frente acontece não apenas pela depreciação cambial, mas porque passamos a incorporar um prêmio de desancoragem fiscal nas expectativas de inflação dos agentes", afirma Megale. A XP informou que não mais espera uma convergência da inflação ao centro da meta no horizonte relevante da política monetária e que prevê IPCA de 3,5% em 2023, acima do centro do alvo, de 3,25%.

"Em nossa opinião, estamos observando uma mudança de regime na condução da política fiscal, e não 'apenas' uma piora na margem", escreve Megale. Segundo Megale, as manobras ao teto dos gastos fazem com que o cenário adverso de mudança estrutural no quadro das contas públicas se torne mais provável.

Com a deterioração das condições financeiras, a corretora reduziu também as suas projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2021, de 5,3% para 5,0%, e 2022, de 1,3% para 0,8%. "Em média, esperamos variação praticamente nula do PIB ao longo dos trimestres do ano que vem", diz o relatório.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais